30.10.13

Mandalas Indigenas (desenhos para gravuras) - Virginia Rett Lemos/2013


Mandala Indigena 01
Virginia Rett Lemos
2013


Mandala Indigena 02
Virginia Rett Lemos
2013 


Mandala Indigena 03
Virginia Rett Lemos
2013 


Mandala Indigena 04
Virginia Rett Lemos
2013 


Mandala Indigena 05
Virginia Rett Lemos
2013


Mandala Indigena 06
Virginia Rett Lemos
2013 



Mandala Indigena 07
Virginia Rett Lemos
2013 


Mandala Indigena 08
Virginia Rett Lemos
2013


Mandala Indigena 09
Virginia Rett Lemos
2013


Mandala Indigena 10
Virginia Rett Lemos
2013


Mandala Indigena 11
Virginia Rett Lemos
2013 


Mandala Indigena 12
Virginia Rett Lemos
2013 


Mandala Indigena 13
Virginia Rett Lemos
2013


Mandala Indigena 14
Virginia Rett Lemos
2013 


Mandala Indigena 15
Virginia Rett Lemos
2013

12.10.10

volante: finalização

Como finalização do Projeto Volante em Porto Alegre, foram montados 12 conjuntos com as gravuras produzidas, reunidas em grupos com a intenção de serem disponibilizadas para acervos de instituições públicas e ateliês coletivos.


.
.

Trechos do texto "Exposições Portáteis", de Regina Melim:

"As dinâmicas para pensarmos uma publicação como uma exposição têm na sua base uma série de referências históricas. (...) Destas, e sem dúvida, mais próximas desta noção que denomino de
exposições portáteis, foram as ações curatoriais empreendidas pelo jovem galerista, marchand e editor Seth Siegelaub. (...) Para ele, publicações significavam a mesma coisa que um espaço de galeria significa para a maioria das pessoas.
(...)
Em Xerox Book (1968), Seth Siegelaub legitima este formato de exposição utilizando e enfatizando
o meio de reprodução como estratégia crítica à unicidade e autenticidade de um trabalho de arte.
(...)
É importante que se ressalte que existe uma produção de trabalhos destinados mesmo a serem expostos em outros espaços. Que não precisam, necessariamente, de paredes, pois
são proposições.
(...)
Uma publicação é como uma
exposição itinerante. E, por ser portátil, o seu deslocamento é muito mais acentuado. Pode dispersar-se pelo mundo, até perder de vista.

//
Texto crítico que compõe a publicação
Meio, organizada por Marcos Sari e Daniele Marx, à qual tivemos acesso através do Ateliê Subterrânea, um dos espaços que conhecemos em nossa passagem por Porto Alegre durante a realização do Projeto Volante. Agradecimentos a James Zortéa.

video

video

6.10.10

volantes POA




Volantes produzidos em Porto Alegre de 4 a 6 de outubro.
Artistas que participaram desta etapa do projeto:

Marcelo Calheiros (Grupo Cupins)
Toni Rabello (Grupo Cupins)
Grupo Pelos Muros
Yuri Aranha
W. Cavalcante (Cava)

video

5.10.10

Estampa produzida com poesia do cubano Wilay Mendez, tipografia de Cleiri Cardoso e desenho de Marcelo Heleno.

2.10.10

volante: estampas




Estampas produzidas em São Paulo durante o mês de setembro de 2010.
Artistas que participam:

Wilay Mendez
Carol Zoli
Pati Paccin
Arthur Medeiros
Jozz
Geraldo Laurentino
Marina Ferreira
William Silvestrini
Manu Assafi
Cleiri Cardoso
Sérgio Antunes Kal
Marcelo Heleno
Paula Ordonhes
Letícia Kamada
Maura de Andrade
Maria Regina P. Pereira
Elias Junior
Luciano Ogura
Francisco Maringelli
Frederico Fillipi
Paula Monteiro

volante: processo (3)




volante: processo (2)




21.9.10

volante: processo




Ele está com o coração apertado. Ela nem desconfiava disso. Antigamente, ela pensa consigo mesma, sem que precisassem dizer, ela sabia o que se passava no coração dos outros. Era seu talento especial: meegevoel, sentir-conjunto. Mas não mais, não mais! Ela cresceu; e ao crescer, endureceu, como uma mulher que nunca é tirada para dançar, que passa as noites de sábado esperando em vão num banco no salão da igreja, que no momento em que algum homem se lembra das boas maneiras e lhe estende a mão, perdeu todo o prazer e só quer voltar pra casa.

J.M. Coetzee, Verão, 2009

20.9.10

Projeto Volante em Porto Alegre


O Projeto Volante foi uma das iniciativas convidadas a participar do XXIV Festival de Arte Cidade de Porto Alegre, que irá acontecer entre 4 e 8 de outubro de 2010.
A primeira edição do Projeto Volante aconteceu em 2009 no Sesc Pompeia em São Paulo, como uma forma de dar visibilidade à produção do Ateliê de Gravura do Sesc e como uma ação reflexiva e crítica à ausência de espaços na instituição para que esta produção seja mostrada e discutida. Nesta ocasião, os artistas e gravadores participantes do ateliê desenvolveram imagens utilizando xilogravura, carimbo, tipografia, entre outros meios, elaborando aproximadamente 36 imagens de tiragens variadas, o que originou cerca de 1200 estampas. Estas estampas foram distribuídas no Sesc Pompeia e posteriormente ganharam as ruas e outros espaços da cidade de São Paulo. Além da produção distribuída ocasionalmente em ações coletivas, foram resguardados alguns conjuntos contendo uma coletânea completa das imagens produzidas para doação a acervos de outros ateliês da cidade.
Para o XXIV Festival de Artes de Porto Alegre, o Projeto Volante propõe a produção de volantes com artistas e gravadores locais, valendo-se de uma reflexão sobre o volante e das técnicas de gravura em relevo para reprodução e posterior distribuição gratuita destas estampas pela cidade, abrindo espaço para um debate sobre os caminhos da gravura contemporânea, propostas artísticas coletivas, e a cidade como laboratório para o desenvolvimento de ações.
Somada à produção a ser realizada durante o Festival, estarão os volantes produzidos anteriormente no Ateliê Livre do Sesc Pompeia em São Paulo e de outros ateliês e artistas gravadores da cidade convidados a integrar esta ação, estabelecendo assim, além de um intercâmbio de experiências entre os ateliês e suas práticas, um diálogo entre as produções realizadas pelos artistas que freqüentam estes espaços.


Sobre o Projeto
Do surgimento da gravura no ocidente, em meados do séc. XIV, emerge uma verdadeira revolução, que talvez, só encontre precedentes na invenção da escrita. É o ponto de partida para a veiculação de informação (texto e imagem) de toda e qualquer natureza em ampla escala, das cartas de baralho aos tratados de anatomia.
Em meio a esse turbilhão se dá o surgimento do volante, impresso barato, quase ordinário, mas meio eficaz de circulação de informação, usual ainda nos dias atuais. De suas muitas definições ¹: "que voa ou tem a capacidade de voar"; "que não é fixo", "que flutua", enfim, que tem na mobilidade, sua natureza.
O eixo deste projeto propõe uma reflexão acerca desse meio, hoje marginalizado, devido as muitas ofertas de veiculação de informação, e a associação tão comum que fazemos do volante a propaganda barata, reconfigurando seus usos correntes e o inserindo no campo artístico, como instrumento poético. Mesmo frente a outros meios de reprodução mais rápidos, e até certo ponto, mais eficazes, a produção dos volantes utilizando procedimentos tradicionais da gravura em relevo vem reafirmar suas qualidades singulares enquanto linguagem, e sua validade enquanto instrumento de manifestação nas artes visuais.
Embora sua natureza múltipla conduza a estampa a inúmeros lugares, suas inserções no campo artístico, quase sempre tendem mais a afastar do que promover uma aproximação entre uma experiência visual e um possível interlocutor. Dessa forma este projeto abre um ponto de diálogo com a própria natureza da gravura e sua história: recoloca a estampa e o volante em mobilidade, sua razão de ser, seu caráter mais íntegro. Faz dessa revisão, uma reflexão sobre os formatos e espaços de apresentação da gravura e sobre as possibilidades de assumir novas roupagens.
Ainda assim, o volante por si só não basta. É em sua imagem/mensagem que ele deve ser potencialmente instigador, capaz de vivificar seu interlocutor pela experiência visual e causar uma experiência contrária a banalidade do volante comercial, facilmente descartável. O volante deve abrir um nicho nas ações cotidianas, no trajeto do passante, na visualidade muitas vezes opressiva dos grandes centros urbanos, e permitir, ou gerar espaço para uma pequena revelação.


Cleiri Cardoso
Marcelo Heleno
Paula Ordonhes
Sérgio Antunes Kal


29.6.10

Primeiro Semestre de 2010
































Trabalhos dos participantes dos cursos do ateliê de gravura do Sesc Pompeia no primeiro semestre de 2010, orientados por Cleiri Cardoso e Marcelo Heleno.
fotos: cleiri cardoso